30 de maio de 2015

Versos Tristes



Versos Tristes

Bom velho amigo
Chegou a hora da partida
Dentro de mim encontro rachaduras
Tão bem delineadas e profundas
Já não doem mais
Esqueceram de incomodarem

Queria despir minha alma
Arranca-la de dentro de mim
Poderia eu, ser capaz de demonstrar
Toda tristeza que nela habita
Seriam os versos mais tristes...

By: Aline Cordeiro


13 de maio de 2015

Fragmentos


Fragmentos


Um lugar onde irá me encontrar
Distante... Onde sonhos flamejam no ar
Inconfidente tristeza no semblante
Esquivando-me nos cantos relutante
Fragmentos de tristeza sempre irão ficar
Vai batendo e rachando até a vida se acostumar.

Deixei cada pedaço de mim, morrer
Olhos cansados, relutantes
Fecham-se para a lágrima escorrer
Olhos em chamas se apagam no derramar das lágrimas
Poderia encher um oceano inteiro...

Alma rachando como rosa semimorta
A última rosa da primavera
Parece pesada, cansada, desgastada
Mas num simples sopro, voa
Voa longe, no lugar onde o corpo queria pertencer.


By: Aline Cordeiro


7 de janeiro de 2013

Changes


Changes

Apenas deixando o vento me levar
Que me leve pra bem longe
Muito longe deste lugar
Minha pobre alma ensandecida
Há poucos deixou essa vida
Não olharei pra trás arrependido
Por mais que o coração esteja ferindo
Em um último e profundo suspiro
O ar nos pulmões entram, quase cortando
Entre lembranças breves e sofríveis
O coração bate acelerado, quase rachando

Nada tão igual aquele sempre
O sempre é tempo demais para não mudar
Mas muda assim, assim tão de repente
E demora até a vida se acostumar.
By: Aline Cordeiro


12 de agosto de 2012

Inanimate



Inanimate

Na mais vasta e gélida escuridão
Encontra-se o mais profundo do meu ser
Que a solidão nunca a abandonará
E essa alma da inanimada
Cheia de tristeza
Não mais se convence a lutar
Perambulando por espaços
Tomados de dor
Sem realmente saber o que encontrar.

Bem estranha posso parecer
Talvez porque eu seja!
E se toda essa tristeza que me habita
Faz me sentir-se bem
É porque já me acostumei.

Todo o resto não importa mais
São sobras de uma vida mal vivida
Tão jovem e tão retraída
E com a morte me vem a melhor saída.

By: Aline Cordeiro
                                                                                                                             

                                     


8 de julho de 2012

Bye, my old friend!


Bye, my old Friend!

Então de repente sinto-me trocada
Por melhores novos amigos
Já não o faço rir como antes.
Todas as coisas que disseste a mim
Foram-se ao soprar do vento
E sinto-me como se pudesse morrer.

Adeus meu velho amigo!
Que parece estar mais radiante
E eu cada vez mais próxima da escuridão
Todas as noites tristes chorei por ti
E em profunda alma desejei lhe
Estar mais feliz do que à mim.

Adeus velho amigo!
Sentirei muita falta
De todas as coisas compartilhadas
Das únicas vezes que me senti viva
E das falsas esperanças por melhores dias.

Adeus amigo!
Talvez algum dia
Eu te encontre por aí:
Em uma outra época
Com uma outra lembrança
Com outros sonhos
Com outro melhor amigo...

Adeus!

By: Aline Cordeiro

23 de junho de 2012

Run Away


Run Away

Com o passar do tempo
Vidas ficam vazias
Com esperanças de serem preenchidas
De repente tudo muda
E nada mais importa
Os sonhos são deixados de lado
E dão lugar a coisas fúteis.

Há tantos lhe esperando lá fora
Mas você deseja fugir
Fugir da terrível realidade
E seguir os seus sentidos
Tentando fazer seu próprio destino
Caminhar pelo caminho contrário
Ao que era seguido.


Depois de certo tempo
Caminhar sozinho não é tão ruim
Faz-nos mais forte!
As lembranças ruins te rodeiam novamente
Fazendo com que a sua dor aumente
E suas lágrimas já não vistas há tempos
Escorrem desordenadas sobre seu rosto
Não queres mais viver de um passado
Que lhe fizestes tão mal
E desejas que no futuro
Talvez um dia encontre
Um lugar onde seus sonhos
E a realidade se completem.

By: Aline Cordeiro

25 de maio de 2012

Goodbye


Goodbye

Em minha partida
Não se arrependas
Das palavras não ditas,
Das lágrimas não derramadas,
Dos sentimentos não revelados
Deixe o silencio por nós falar
E que o vento seja a sinfonia
Da nossa despedida. 
Não me olhe no fundo dos olhos,
Não me abrace,
Não chame de volta,
Não me diga adeus.

Lembro-me claramente
Da distancia dos braços estigados
Tentando nos tocar novamente
Lembro-me do vento em nossos cabelos
Das lágrimas silenciosamente caindo
Das palavras ditas 
E não compreendidas
Bem, meu amigo!
Os anos passaram,
as lembranças permanecem
E eu tenho um grande anseio
De que os melhores momentos regressem. 



By: Aline Cordeiro