5 de março de 2011

Brilho da vida


Brilho da vida

Anjos cortam suas asas
Reis tiram suas coroas
Palhaços agora choram.

Para mim não é surpreendente
Por ter desistido a muito tempo
Da ilusória felicidade.

Com um céu cor de solidão
E com um vento que os tocam
Como um sorriso
Tão leve e agradável...

Pessoas sem sonhos
Levantam de manhã como zumbis
Rotina que os sufocam
Como corda no pescoço do suicida.

Almas friamente vazias
Vagam por todos os cantos
Procurando lugares perfeitos
Para descançarem
Olhos visivelmente cansados e dolorosos
Procurando sufocantemente
Em um lugar qualquer
Um brilho para voltar a viver.

By: Aline Cordeiro

Um comentário:

  1. Nossa, que lindas imagens, e um poema bem forte. Parabéns.

    ResponderExcluir